Atendimento Comportamental
Como funciona?

A consulta ou sessão comportamental é um atendimento clínico veterinário especializado que visa o diagnóstico, entendimento e tratamento de problemas comportamentais apresentados pelos animais de estimação. Deve ser conduzida por um médico veterinário especializado em medicina veterinária comportamental. Quando o atendimento for realizado por um especialista em comportamento animal não veterinário, é importante que se consulte a opinião de um veterinário comportamentalista para que as causas do comportamento e as possibilidades terapêuticas sejam também consideradas do ponto de vista médico.

Durante o primeiro atendimento, busca-se observar o comportamento do animal (normal e problemático), além de discutir com os tutores as possíveis causas do problema, seus fatores motivacionais e desencadeadores, as implicações para o bem-estar do animal e da família, assim como os objetivos terapêuticos. Os tutores podem e devem apresentar elementos que contribuam para uma melhor caracterização e entendimento do problema (fotos, vídeos etc.), além de quaisquer materiais, produtos e/ou medicamentos, que venham sendo utilizados para o controle do problema (mesmo que ineficientes). Testes Comportamentais serão realizados durante o atendimento assim como exames médicos complementares (ex: hemograma, exame de urina, etc.) poderão ser solicitados em alguns casos.

O tratamento, selecionado com base no que melhor se adequa ao animal e a família, é discutido em detalhes e posto em prática, sempre que possível, já durante o primeiro atendimento. A terapia praticada durante o atendimento deverá ser seguida em casa pelos tutores. Novos atendimentos (sessões complementares) servirão para uma avaliação de progressos, esclarecimentos de dúvidas, ajustes na terapia proposta e estabelecimento de novas metas.

Quando procurar?

O atendimento comportamental deve ser buscado sempre que a família identificar um comportamento problemático, inapropriado, ou simplesmente não compreendido, exibido pelo animal. É possível que o comportamento não seja anormal, e se esse for o caso, o atendimento servirá para um esclarecimento das funções do comportamento, de como melhor conviver com ele, assim como da importância do mesmo para o animal.

A busca por um especialista em comportamento animal deve também ser encorajada no caso de animais filhotes, cães e gatos. O atendimento comportamental visará orientar os tutores sobre como melhor criá-los do ponto de vista comportamental, assim prevenindo problemas futuros. Também, o atendimento comportamental é de grande valia aos futuros tutores em fase de preparação para a aquisição de um animal de estimação; com a devida orientação comportamental, a seleção do animal (com ou sem raça definida) será feita com base nos anseios da família, no seu estilo de vida, no ambiente que dispõem para a criação do animal e, principalmente, no temperamento do animal que melhor se adequa ao perfil dos familiares.

O atendimento comportamental também se aplica aos animais de estimação mantidos em grupos (ex: abrigos, criadores etc.). Nesse contexto, o especialista em medicina veterinária comportamental buscará, dentre outros, promover um manejo ambiental voltado para o bem-estar dos animais. Em condições de confinamento, especialmente em ambientes com poucos estímulos, o estresse crônico costuma desencadear doenças físicas e psicológicas. A modificação ambiental é, portanto, crucial para a prevenção e tratamento destas doenças.

Por fim, vale ressaltar o trabalho do especialista em parceria com um médico veterinário clínico geral no atendimento de pacientes com doenças físicas desencadeadas ou agravadas por desequilíbrios emocionais (ex: dermatites de origem psicológica em cães e gatos, cistites por estresse em gatos). A terapia comportamental complementará o tratamento médico em andamento, buscando assim uma abordagem completa, do corpo e da mente, necessária para um controle efetivo dessas doenças.

Onde ocorre e qual é a duração?

O atendimento comportamental por veterinário especializado pode ser realizado em consultório ou no domicílio do paciente, dependendo da abordagem de cada profissional. A consultoria comportamental on-line também é possível em casos especiais, especialmente quando o tutor reside muito distante ou algum outro fator impossibilita o deslocamento do animal até o consultório ou do especialista até o domicílio. Qualquer que seja a modalidade (consultório, domicílio, on-line), o atendimento comportamental costuma ser longo (em média, duas horas de duração) e o número de atendimentos necessários dependerá da gravidade do problema, do ritmo de melhora apresentado pelo animal e da necessidade de suporte por parte da família. O tempo total de tratamento comportamental é, portanto, bastante variável.

Ainda que o comportamento problemático não seja evidenciado durante o atendimento em consultório veterinário, o especialista saberá avaliar e compreender o animal e seu problema com base na conversa com a família e nas observações do comportamento do animal frente às pessoas e ao novo ambiente. O “comportamento problemático” poderá ser induzido, sempre que necessário, durante o atendimento no consultório. As intervenções praticadas no primeiro atendimento também auxiliarão no processo diagnóstico e na definição da terapia a ser seguida. Se o especialista julgar necessário, sessões complementares domiciliares poderão ser recomendadas.

Abordagem diagnóstica e terapêutica

Diferentes abordagens diagnósticas e técnicas terapêuticas costumam ser empregadas na lida com comportamentos problemáticos exibidos pelos animais de estimação. Especialmente por se tratar de área recente, cujo conhecimento encontra-se ainda em construção, novas condutas estão sempre surgindo à medida que as pesquisas científicas avançam. Assim, cabe ao especialista a tarefa de se manter atualizado.

Entre os especialistas em medicina veterinária comportamental, as abordagens múltiplas, que consideram fatores externos (visão comportamental) e internos (visão médica), além de aspectos concernentes à história evolutiva da espécie (visão evolucionista), são as mais aceitas. Diferentes elementos que controlam os comportamentos problemáticos devem ser levados em conta, assim aumentando as chances de sucesso no seu tratamento.

Além do problema em si, o animal deve ser avaliado sob o ponto de vista físico, ambiental, social, além de seu status emocional (quais as bases emocionais do comportamento problema?) e de seu status de aprendizado (quais os elementos reforçadores e/ou punitivos que controlam o comportamento problema?). A terapia comportamental consiste, portanto, em intervenções em prol do equilíbrio destes elementos. O uso de medicamentos, por exemplo, visa ajustar o status emocional do animal (ex: controlar a ansiedade generalizada, o medo extremo ou a impulsividade). Já o treinamento do animal (adestramento) busca promover o aprendizado de comportamentos saudáveis. Intervenções sociais, ambientais e físicas são também incluídas na terapia.

A terapia comportamental para cães e gatos depende inteiramente da dedicação, persistência e paciência da família. As técnicas recomendadas devem ser praticadas em casa o mais frequentemente possível. Progressos aparecerão ao longo de dias ou semanas, especialmente dependendo do tempo em que o problema comportamental já estiver presente e do empenho da família na implementação da terapia.

Agende a sua consulta >

Conheça o Centro de Comportamento e Bem-estar Canino e Felino Psicovet.